Não estava familiarizado com o trabalho dos chefs Júlia Tricate e Gabriel Coelho. O casal venceu, respectivamente, o The Taste Brasil e o Mestre do Sabor. Mais recentemente abriram o De Segunda e desde então venho recebendo perguntas sobre os dois.

Será que eles sabem mesmo cozinhar?

Olha, sabem sim. E muito. Cozinha técnica, criativa e cheia de sabor.

ostras e caju

Comecei pelas ostras, entre as coisas mais gostosas que comi este ano. Ostra, sorvete de caju, picles de cebola roxa, limão e óleo de coentro (R$ 38). Sabor limpo e muito refrescante.

croquete de carne de panela

O croquete de carne de panela (R$ 32) também é fantástico. Ao mesmo tempo leve e intenso pois a carne é tenra e nada massuda. A fritura é perfeita, sequinha e crocante.

salame di buteco

O salame ‘di buteco’ (R$ 18) é muito bom, delicado, não seco e salgado como salames industrializados.

guioza de joelho de porco

O guioza de joelho de porco com jiló (R$ 38) é excelente. Está tudo ali, textura, dulçor, acidez, picância. Aquela mordida que permanece contigo.

cuscuz paulista de camarão

O cuscuz paulista de camarão com vinagrete de lula, azeite de dendê e coco (R$ 52) é bom. O cuscuz é bem soltinho e o vinagrete confere boa acidez ao prato.

peixe e pupunha

O peixe na brasa com pupunha e leite de coco (R$ 74) não tem a intensidade dos outros pratos. A pupunha é o melhor ingrediente, crocante e com gostinho de grelha.

arroz de rabada

O arroz de rabada com folhas de mostarda e picles de maxixe (R$ 62) é ótimo, com caldo robusto e saboroso. As folhas e picles trazem leveza ao prato.

quindim e coco

Finalizo com o quindim & coco (R$ 32), sobremesa com componentes excessivamente doces. Nada equilibra o dulçor do (bom) coquinho caramelado, da calda de quindim ou do sorvete de coco.

caju amigo

Também não gostei da coquetelaria. Bacana a proposta de coquetéis “de segunda”, porém eles precisam ser bem executados. Tomei um caju amigo (R$ 30) muito doce e um rabo de galo (R$ 28) muito alcoólico, e doce.

de segunda restaurante

O ambiente é descolado e casual, reflexo fiel da comida. Um misto de restaurante despretensioso e boteco arrumadinho.

Eu só trocaria a playlist… incomodou um bocado.

Apesar destas pequenas ressalvas, eu comi muito bem.

A primeira impressão do De Segunda é de um trabalho de chefs talentosos e cuidadosos com muita história para contar. Vou acompanhar!

Leia mais: Borgo Mooca tem comida criativa em lugar acolhedor

Write A Comment