Fui almoçar no Kinoshita, restaurante que recentemente foi premiado com uma estrela no Guia Michelin. Por que, eu não sei dizer. O restaurante decepciona na qualidade e execução dos pratos.

Estive no Kinoshita algumas vezes ao longo dos anos e minha impressão sempre foi a mesma. Ambiente agradável, bom atendimento (embora mais sério) e comida mediana. Sabendo o que pedir dava para comer bem.

Dava, não dá mais. Vamos lá. Em 2017 o chef Tsuyoshi Murakami, que comandou a casa por muitos anos, saiu do Kinoshita. Desde então foi aquela dança das cadeiras. Chefs entraram, mudaram a direção da casa, não deu certo e saíram. Mais recentemente o ótimo chef Tadashi Shiraishi passou por lá, mas também não ficou.

Esta falta de direção está bem evidente.

Martini Kinoshita
Martini Kinoshita (?)

Comecei pelo Martini Kinoshita (R$ 41,81, vodka, amora, suco de cranberry e sake) um drink que teve apresentação reformulada, mas com a mesma receita. A gelatina agora fica colada na base do copo, causando má impressão. E o drink não tem nenhuma relação com a sua descrição. É basicamente uma caipirinha de morango.

Usuzukuri
Usuzukuri

O Usuzukuri (R$ 69,81, fatias de peixe branco com molho ponzu, nabo ralado com pimenta e cebolinha) tinha gosto e cheiro bem pronunciado. Também não consigo entender por que não chamar o peixe pelo seu nome. “Peixe branco” é dureza.

Shake Butter
Shake Butter

O Shake Butter (R$ 66,81, salmão selado com molho cítrico) de nada lembra o prato que comi no passado. O molho não emulsionou corretamente e ficamos com partes de shoyu e partes de manteiga. Este prato também deveria ter sido servido com uns brotinhos de verduras, que complementam bem o molho. Aparentemente a cozinha esqueceu.

Shake Crispy
Shake Crispy

O Shake Crispy (R$ 54,81, salmão com crocante de tempurá de legumes e ovas) é uma bagunça, similar a pratos que você encontra em rodízio japonês. Uma confusão de ingredientes em cima do salmão. Não dá nem para comer sem derrubar tudo.

Ebi Tamago Don
Ebi Tamago Don

O Ebi Tamago Don (R$ 80,81, tempurá de camarão, ovo cozido em baixa temperatura, gohan e molho teriyaki) tinha um bom tempurá e bom ovo. Senti falta de um pouco mais de molho.

Choux Cream

Por fim, o Choux Cream (R$ 19,81, profiterole recheado com creme), bolinhas secas recheadas com creme. A massa deveria ser mais leve e aerada, como a de um – olha só – profiterole.

Ficou claro o despreparo da cozinha e a baixa qualidade técnica na preparação dos pratos.   Eu inclusive questionei alguns pontos, como o molho do Shake Butter.  A resposta foi “a cozinha errou mesmo”.

Então tá.

O Kinoshita é claramente um restaurante em transição. Espero que se acertem, pois ao menos por enquanto, entregam pouco e cobram como se estivessem tinindo.

Leia mais: Conheça o Shin Zushi, o melhor restaurante japonês de São Paulo

Write A Comment