Nem todo mundo sabe, mas é possível levar seu vinho de casa para ser degustado em muitos
restaurantes, como acontece na cidade no caso de São Paulo. Geralmente, essa permissão é acompanhada de uma taxa, a chamada “taxa de rolha”.

Essa cobrança é feita pelos restaurantes com o intuito de cobrir despesas com o serviço oferecido ao cliente nessa situação, como o sommelier, a guarda do vinho na temperatura ideal e a utilização das taças. Mas as intenções dos restaurantes em cobrar a rolha também podem variar e não se aterem somente à compensação de um serviço prestado, mas sim para desencorajar o cliente a desfrutar dessa possibilidade.

É bem verdade que existem diferentes motivos também pelos quais um cliente levaria sua própria garrafa ao restaurante. Pode ser por uma ocasião especial, um vinho especial há um tempo guardado, quando o restaurante não oferece muitas opções e, claro, com a intenção de economizar.

taxa de rolha
rolhas de vinhos

Os valores dessa cobrança podem dizer muito sobre as intenções dos restaurantes e direcionar ou validar as intenções dos clientes. Essas cobranças variam de um estabelecimento para outro, podendo partir de R$30 e chegar à R$150 por rolha.

Os valores mais baixos, estimulam essa prática entre os clientes, enquanto os mais altos, se não anulam, limitam a prática a ocasiões e vinhos realmente especiais.

De uma maneira geral, taxas de rolhas de até R$60 são atrativas, considerando que você leve um vinho que te custou pelo menos R$100 a garrafa já que algo parecido na carta do restaurante não te sairia por menos de R$200.

Restaurantes com isenção de taxa de rolha

Um capítulo a parte são os restaurantes que NÃO cobram taxa de rolha. Esses investem na fidelidade dos clientes, deixando-os à vontade e focando seus ganhos no que sabem fazer de melhor, a COMIDA.

Em São Paulo, existem alguns ótimos restaurantes que têm essa prática, alguns inclusive com ótimas cartas de vinhos, o que vai te deixar em dúvida sobre levar ou comprar seu vinho lá.

  • Arturito
  • freddy
  • el tranvia
  • enoteca saint vinsaint
  • marcelo restaurante
  • Freddy
  • El Tranvía
  • Enoteca Saint vin Saint
  • Marcel Restaurante (in memorian) *

Restaurantes que isentam uma garrafa

Outros restaurantes têm essa mesma prática de isenção de rolha, mas limitada a uma garrafa por mesa, o que não deixa de ser atraente.

  • a figueira rubayat
  • torero valese
  • martin fierro
  • Arturito
  • A Figueira Rubayat
  • Torero Valese
  • Martín Fierro

Parceria com cartões de crédito

Há ainda, os restaurantes que fazem parcerias com empresas de cartões de créditos e para esses clientes uma rolha não é cobrada. A vantagem aqui é que a gama de restaurantes é ampla.

Veja aqui: Isenção de rolha Mastercard

Minhas experiências

E há também, claro, maneiras muito bacanas de ser isento das taxas de rolhas: conhecer o sommelier, o maitre ou o dono do restaurante, ser frequentador, ser educado, perguntar opiniões e, quando levar seu vinho, oferecer uma taça, fazer amizade e brindar às novas experiências.

Há muitas passagens divertidas que envolveram essas amizades, mas duas foram marcantes:

A primeira aconteceu no Piselli, há uns 10 anos atrás, quando eu estava começando a tomar vinhos de maneira mais “séria” – séria pela dedicação e o estudo, porque tomar vinho pra mim é diversão, descontração – e um amigo que me acompanhava, tinha amizade com o Sommelier. De repente, ele olha para a mesa de apoio e vê três garrafas sendo abertas ao mesmo tempo, me pediu licença, levantou-se da mesa e foi até lá. Voltou poucos instantes depois junto ao Sommelier e três taças na mão.

Fabiano, o sommelier acabou de abrir 3 garrafas de COS D’ESTOURNEL, 1986, 1992 e 1993, falei para ele que você estava começando a se interessar por vinhos e ele ofereceu que você provasse.

vinho cos d'estournel
Chateau Cos d’Estournel

O sommelier tinha tirado uma pequena quantidade de cada garrafa para ele mesmo provar e conferir se os vinhos estavam bons, mas ele matou essa no olfato, deixando o liquido para que eu saboreasse.

Aquilo não tinha nada a ver com o que eu estava acostumado a tomar, que experiencia incrível!

Em outra oportunidade, fui jantar com minha esposa no Martín Fierro. Levei meu vinho tinto e pensei em comprar algum branquinho ou espumante para abrir os trabalhos por lá. Depois das entradas, pedi ao Maitre (o Sommelier estava de folga no dia), que me trouxesse minha garrafa. Ao abrir, ofereci para que ele provasse o vinho, ele ficou feliz, mas recusou, alegando a incompatibilidade do álcool com seus deveres.

O restaurante estava vazio e tivemos tempo para bater papo. Conversa vai, vinho vem e no meio da história ele me diz que na noite anterior um senhor tinha ido ao restaurante e levado um Mouton Rothschild 1985 e empolgado disse que ia buscar a garrafa para me mostrar. Quando ele me entregou a garrafa na mão, minha primeira reação foi admirar aquele rótulo/obra de arte. Quando me dou conta de um detalhe e digo em voz alta:

Tem vinho aqui ainda!!!

chateau mouton rothschild 1985
Chateau Mouton Rothschild 1985

O maitre não acreditou, saiu correndo para buscar uma taça e me servir (ele se ateve à sua decisão anterior e não provou). O vinho estava lindo, vivo ainda, mesmo um dia depois de aberto. Foi meu primeiro encontro com esse ícone.

Enfim, é possível tomar bons vinhos em bons restaurantes sem pagar a taxa de rolha. Só é preciso paciência para pesquisar.

Write A Comment